Previsão do tempo
17°
25°
Predomínio de Sol

Musical

Notícias
Geral
Congresso do Peru aprova uso medicinal da maconha

O Congresso do Peru aprovou nesta quinta-feira, por ampla maioria, o uso da maconha para fins medicinais, atendendo a uma antiga demanda de organizações civis, informou o presidente do Legislativo, Luis Galarreta. "Hoje aprovamos o uso da cannabis medicinal. Todos os grupos parlamentares, pensando nas pessoas que precisam deste tratamento", escreveu Galarreta no Twitter. A lei será enviada agora ao Poder Executivo, que promoveu a medida, para sua promulgação.

Apesar da aprovação por ampla maioria, a medida provocou um acalorado debate, já que o Peru é o segundo maior produtor de folha de coca do planeta e há muitos anos luta contra o narcotráfico. Especialistas e promotores da proposta esclareceram que não se trata de permitir o consumo da maconha, apenas de extrair seus componentes medicinais para paliar algumas doenças específicas.

O governo apresentou o projeto de lei em fevereiro, após pedidos de famílias cujos filhos enfrentam doenças graves, como convulsões epiléticas e câncer. O legislador governista Alberto de Belaunde propôs que as mães envolvidas no uso da maconha para paliar o sofrimento de seus filhos sejam excluídas de qualquer ação penal.

Além do Uruguai, que em 2013 se tornou o primeiro país a autorizar o cultivo e o consumo da maconha para uso pessoal, vários países latino-americanos têm caminhado na mesma direção, enquanto México, Colômbia, Chile e Argentina aprovaram leis que autorizam o cultivo e o uso da maconha para fins medicinais.

 

Com informações do jornal Correio do Povo

Veja Também
Mundo
ONU pede que Vaticano afaste padres acusados de abusar de crianças
Política
TSE barra criação de Partido Nacional Corinthiano
Saúde
Maior parte das cidades brasileiras não tem programa de coleta seletiva do lixo
Polícia
Operação realizada em 20 estados simultaneamente resulta na apreensão de mais de 5 toneladas de droga
Barracão
PM cumpre mandados de busca e apreensão
Geral
Falso desconto foi a principal queixa ao Procon durante a Black Friday