Previsão do tempo
19°
22°
Pancadas de Chuva a Tarde

Nossa Terra Nossa Gente

Doalcei Alves

Trânsito Livre

Sandro Barcellos

Notícias
Polícia
Réu acusado e homicídio duplamente qualificado é condenado a 12 anos de prisão.

Em sessão de júri, realizada na câmara municipal de vereadores de Dionísio Cerqueira, sob a presidência da juíza Dra. Carolina Cantarutti Denardin, esteve no banco dos réus o palmasolense Daniel Bortolanza, de 26 anos, acusado de homicídio qualificado ocorrido em outubro de 2011, no interior de Dionísio Cerqueira.

Na acusação do réu, representando o ministério público, atuou o Dr. Leonardo Cazonatti Marcinko. Como advogado de defesa, atuou no caso o Dr. Marcelo Ramos dos Santos.

O Crime:

Conforme a Polícia Civil, no dia sete de outubro de 2011, por volta das 12h, foi localizado na Linha São Francisco, no interior do município de Dionísio Cerqueira, o corpo de um homem de 65 anos de idade. A vítima foi encontrada no quarto da sua própria residência, morto por dois disparos de arma de fogo.

Após investigações, os Policiais representaram por três Mandados de Busca e Apreensão nas residências de D. B. (principal suspeito do crime) e do pai e do irmão do suspeito. De posse dos Mandados, os Policiais deslocaram-se a cidade de Palma Sola, local em que os suspeitos moravam, para localizar a arma do crime e D. B. que acabou confessando o crime.

Na residência do irmão do acusado, foi apreendida uma espingarda calibre 36 e na residência do pai do suspeito foi apreendida outra espingarda, além de um revólver calibre 38.

O pai e o irmão foram autuados em flagrante pela posse irregular de arma de fogo de uso permitido. Arbitrada a fiança, efetuaram o pagamento e foram postos em liberdade. D. B. foi preso e conduzido a Cadeia Pública, onde permaneceu à disposição da Justiça, até ganhar a liberdade provisória.

No início da tarde, o julgamento, que se iniciou as 9hs da manhã, foi encerrado com a condenação de Daniel, a 12 anos de prisão em regime fechado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e que impossibilitou a defesa da vítima.

O réu aguarda em liberdade o prazo de recursos, que é de cinco dias. Caso a defesa recorra da sentença, ele aguardará o desfecho em liberdade.Caso não haja a protelação por parte da defesa, o mesmo será preso ao término deste período.

 

 

 

 

 

 

Veja Também
Polícia
Polícia Militar prende dois homens suspeitos de furtos em Palma Sola
Santa Catarina
Lançado mais um edital do Programa Mais Médicos
Geral
Projeto fixa limite de peso da mochila escolar.
Educação
Matrículas para o Prouni encerram hoje
Geral
ONU alerta para o fim da poluição plástica no Dia Mundial do Meio Ambiente
Polícia
Briga de presos termina com um morto e um ferido na Penitenciária Estadual