Previsão do tempo
19°
24°
Parcialmente Nublado

Brasil de Sul a Norte

Doalcei Alves

Bom dia Fronteira

Jeferson Rodrigues

Notícias
Geral
Novas regras da portabilidade salarial completam 3 meses; mais de 440 mil pedidos já foram registrados

Estão em vigor há 3 meses as novas regras para a portabilidade de salário.

Desde o dia primeiro de julho, os trabalhadores que recebem o ordenado em uma conta-salário podem optar pela transferência de recursos, sem custos, para outra conta bancária ou para uma conta de pagamento apenas comunicando a vontade ao banco ou empresa de pagamento para a qual deseja transferir o dinheiro – não precisa mais fazer o pedido na instituição financeira que tem convênio com a empresa onde trabalha.

É um processo semelhante à portabilidade entre operadoras de celular.

Segundo o Banco Central, desde que as novas regras estão em vigor, mais de 443 mil pedidos de portabilidade de salário já foram realizados.

92% dos pedidos foram para transferência dos valores para uma conta-corrente, 6% para conta de pagamento e 2% para conta-poupança.

Lembrando que contas de pagamentos são aquelas que não necessariamente são vinculadas a um banco, mas que permitem a movimentação de recursos.

Nem toda conta de pagamento é oferecida por instituições reguladas pelo Banco Central e somente as reguladas podem fazer a portabilidade.

Existem no país mais de 100 instituições de pagamentos, mas, atualmente, apenas sete são reguladas: Brasil Pré-Pagos, Cielo, GetNet, Nubank, Redecard, Stone e Super Pagamentos.

Veja Também
Polícia
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) lançou à zero hora desta quinta-feira (20) a Operação Tiradentes em todo o país
Geral
Economia melhora e número de empresas que fecharam as portas diminui, em janeiro
Geral
Programação da Semana da Pátria começa a ser discutida na Tri Fronteira
Geral
Brasil fica na 20ª posição em ranking internacional de perda de água
Pai passa com trator sobre o filho de 4 anos. Foi a segunda tragédia na família em oito anos
Economia
Caminhoneiros já podem renegociar dívidas com o BNDES