Previsão do tempo
12°
17°
Predomínio de Sol

A Banda Chegou

Loreno da Silva

Sábado Total

Adriana Riva

Notícias
Política
Toffoli pede a PF e PGR apuração do caso de advogado que abordou Lewandowski em voo

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, pediu nesta quarta-feira (5) à Polícia Federal e à Procuradoria Geral da República (PGR) que apurem o caso do advogado que abordou o ministro Ricardo Lewandowski em um voo.

Nesta terça (4), o advogado Cristiano Caiado de Acioli foi detido após se dirigir a Lewandowski em um voo de São Paulo para Brasília e afirmar que o Supremo é uma "vergonha".

Para Dias Toffoli, Lewandowski foi ofendido e, por isso, o caso precisa ser apurado e os órgãos, tomarem as "providências cabíveis".

O ofício de Toffoli é dirigido à procuradora-geral Raquel Dodge e ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a quem a PF é subordinada.

O gabinete de Lewandowski divulgou a seguinte nota sobre o caso:

"Ao presenciar um ato de injúria ao Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski sentiu-se no dever funcional de proteger a instituição a que pertence, acionando a autoridade policial para que apurasse eventual prática de ato ilícito, nos termos da lei."

Acioli foi detido ao chegar ao Aeroporto de Brasília e levado à Superintendência da Polícia Federal para prestar esclarecimentos.

Ao G1, o advogado disse ter tratado Lewandowski "com o pronome devido", usando "toda a etiqueta necessária". "Fiz uma manifestação, é uma essência da Constituição. É um direito básico", afirmou.

O ministro Luís Roberto Barroso também estava no voo.

 

Veja Também
Geral
Receita Federal deve liberar na próxima semana consulta ao 1º lote de restituições do IR
Esportes
Grêmio e River Plate decidem hoje quem será o 1º finalista da Libertadores
Economia
Conta de luz continuará com bandeira vermelha em outubro
Política
Em discurso, Michel Temer rebate acusações feitas por Sérgio Machado em delação
Polícia
Polícia Rodoviária prende dois homens com mais de 750 quilos de maconha
Polícia
Governo expulsou 550 servidores em 2014 por práticas ilícitas, diz CGU