Previsão do tempo
16°
26°
Pancadas de Chuva a Tarde

Manhã da Fronteira

Jeferson Rodrigues

Super Manhã 94

Adriana Riva

Notícias
Geral
Deputado federal que queria proibir anticoncepcionais volta atrás e retira projeto

O deputado federal Márcio Labre (PSL-RJ), voltou atrás e pediu a retirada de tramitação do projeto de lei protocolado por ele na segunda-feira (4), que previa a proibição da venda, anúncio e uso de anticoncepcionais como o DIU (dispositivo intrauterino), minipílula e pílula do dia seguinte no Brasil por considerá-los “microabortivos”.

Em uma nota de esclarecimento, publicada nas redes sociais, disse que houve “uma falha” e que “o projeto acabou passando 'batido' junto aos demais por mim aprovados. O que resultou na entrada de um projeto que, além de não me representar, não representa milhares de mulheres que confiaram seu voto em mim”.

O comunicado segue dizendo que o objetivo do projeto, que será reapresentado em nova versão, é "informar sobre os efeitos dos medicamentos usados como contraceptivos que, na verdade, são microabortivos" — informação que não tem comprovação científica e é contestada pelos médicos.

A médica ginecologista Luisa Aguiar da Silva, de Florianópolis, explica que nenhum dos métodos listados pelo deputado provoca o aborto. Embora ajam de diferentes maneiras no organismo, eles têm o mesmo objetivo: impedir a aproximação do espermatozoide do óvulo, com alterações no muco cervical e endométrio.

— Em todos eles não há fecundação. Os métodos vão justamente impedir que ela exista — diz a médica.

Para a ginecologista, propostas como essa deveriam passar pelo crivo de especialistas, para evitar equívocos. O deputado que propôs a proibição dos anticoncepcionais se diz projetista, empresário e jornalista em sua biografia na Câmara dos Deputados.

— Os métodos são cada vez mais estimulados, porque temos muita gravidez indesejada no Brasil, inclusive na adolescência. Temos que ter o poder de cuidar de nosso corpo e de nossas escolhas. Na minha opinião, projetos assim deveriam passar pelas mãos dos especialistas. Não poderia ser apresentado sem que se saiba o que pode implicar, com informações equivocadas — comentou.

Veja Também
Geral
Lançado 1º vestibular de Medicina da FADEP
Justiça
Após cometer crime bárbaro, jovem de Palma Sola é condenado a mais de 27 anos de prisão
Geral
CTG Querência Xucra de Bom Jesus do Sul empossa sua nova patronagem
Justiça
Coração partido por casamento rompido, mesmo sem motivo, não enseja dano moral
Geral
GGI-I define estratégias de combate ao contrabando e descaminho na Tri Fronteira
Geral
Candidatos ao Prouni do 2º semestre têm até sexta-feira para se inscrever