Previsão do tempo
16°
26°
Pancadas de Chuva a Tarde

Jornal da Manhã

Cláudio Saccol

Bom dia Fronteira

Jeferson Rodrigues

Notícias
Polícia
Organização Mundial de Saúde revela que 372 mil pessoas morrem por ano, vítimas de afogamento

O afogamento é uma das principais causas de morte no mundo, com cerca de 372 mil mortes por ano, informou ontem (18) a Organização Mundial da Saúde (OMS), que fez um apelo para a  tomada de medidas de prevenção, principalmente em relação aos jovens.

Mais da metade das mortes é de menores de 25 anos e a maior taxa de morte por afogamento entre as crianças é de menores de cinco anos, destaca a OMS em seu relatório.

O foco na luta contra a mortalidade infantil revelou “os assassinos escondidos (…), o afogamento é um deles”, afirmou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, no relatório que lista os mortos por afogamento, na banheira ou devido a um tsunami. Chan apelou às autoridades para tomarem medidas de prevenção em “nível nacional e local”.

As taxas mais altas são registadas nos países de rendimento médio e baixo, na África, no Sudeste da Ásia e nas regiões do Pacífico Ocidental. Nestas duas últimas zonas, regista-se mais da metade dos afogamentos fatais. Na África, registam-se taxas de morte por afogamento mais de dez vezes superiores às de países europeus, como o Reino Unido e a Alemanha.

A OMS sugere que as autoridades locais instalem barreiras para controlar o acesso à água e que ensinem noções de natação às crianças e de socorrismo aos adultos. A organização da ONU pede ainda aos governos regras mais rigorosas para o transporte de passageiros em embarcações.

Os países ricos não escapam ao problema. Nos Estados Unidos, calcula-se que os afogamentos costeiros custem cerca de 273 milhões de dólares anualmente, em custos diretos e indiretos, segundo a OMS.

Fonte: Terra

 

Veja Também
Geral
Prazo para parcelar IPVA de veículos com placa final 6 termina nesta terça-feira, 10
Geral
Vereador de Dionísio Cerqueira diz estar preocupado com falta de áreas de lazer
Saúde
Infartados devem receber atendimento em, no máximo, 90 minutos
Economia
Carne brasileira ganha espaço lá fora. Cotação da mandioca dispara.
Saúde
SUS aprova novos medicamentos para doenças raras
Geral
Sete em cada 10 cidades brasileiras perdem 30% ou mais de toda a água tratada